quinta-feira, 3 de março de 2016

The Lunchbox: uma entrega errada nos mostrando o quão podemos ser miseráveis, ou não.



Só quem teve uma marmita extraviada é que pode entender o que estou falando.  Ah! Você é da geração que nunca comeu de marmita? Azar o seu, porque a comida caseira é sem dúvida melhor que muito fast food e self service que encontramos nos dias de hoje. O que antes era motivo de chacota e sátira, a tal marmita balançando na mochila no transporte lotado, hoje é descolado, tem até apresentadora de programa culinário que usa o termo marmita chique e por aí vai.

Eu já tive uma marmita extraviada, mas não vim aqui para contar esse episódio pitoresco que aconteceu comigo nos ido dos anos 80, mesmo que tenha sido uma passagem com final feliz para mim, para a marmita e para uma mulher grávida que pode saborear a comida da minha mãe, vim para comentar sobre o filme indiano “The Lunchbox” primeiro longa de Ritesh Batra (Índia, 2013) que faz parte da minha lista de “Filmes que são uma delícia”.

Meu título é uma provocação sim, porque apesar do filme girar em torno de uma equivocada marmita que vai parar no destino errado (o destino, aquele Senhor às vezes tinhoso, às vezes brincalhão) fato é: que esse pequeno equívoco dos dabbawallahs (entregadores de marmita de Mumbay) acaba por transformar a vida de duas pessoas, e é através da comida preparada por Ila e o alento que sente Saajan, o Sr. Fernandes, a cada garfada, que a trama se desenrola.

A comida tem esse papel, ela sacia a fome, alimenta os pensamentos e pode encher de prazer um corpo sofrido ou uma alma solitária.

São berinjelas, arroz com curry, pão pita, almôndegas de queijo, lentilhas, entre outras delicias da comida indiana, preparadas por Ila para seu apático marido que faz com que o Sr. Fernandes volte a sorrir. Viúvo e prestes a aposentar-se, aquele homem que se sente velho, de uma hora para outra vê nos bilhetes trocados a cada chegada e partida da sua marmita, um motivo para sonhar novamente, desejar a felicidade e porque não encontrar um novo amor. E... não é diferente com Ila, que já sem esperança face ao desprezo do marido, encontra no preparo dos alimentos e nas cartas trocadas com Saajan um motivo para mudar o rumo de sua vida e do seu futuro.

Filme terno, engraçado e por vezes melancólico que mostra a vida como ela é, às vezes morna, às vezes apimentada, noutras vezes miserável ou simplesmente uma dádiva. Premiado no Festival de Cannes de 2013 o filme traz uma mensagem incrível, muito bem representada pela frase “Às vezes, o trem errado leva à direção certa” dita por uma das personagens ao longo do filme.

(Marmita, presente pro marido - Foto: Meg Mamede)

Ficou curioso(a)? Então não deixe de ver “The lunchbox” e faça como eu: compre uma marmita bacana e de vez em quando prepare aquela refeição gostosa, cheia de amor e dê para o seu marido, filho ou filha levar. Nada substitui o aroma que só o carinho confere aos alimentos, comida alguma é melhor do que aquela que preparamos para aqueles que amamos.


***

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recebemos seu comentário logo ele será publicado. Obrigada pela visita!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...