sexta-feira, 3 de abril de 2015

A alimentação em documentários brasileiros.

(Imagem_google imagens)

O crescimento da produção de documentários que tratam da alimentação aumentou muito nos últimos anos no Brasil e no mundo coincidindo com surgimento de movimentos e ações que têm a cadeia produtiva, a agricultura, a produção orgânica, a segurança e soberania alimentar dos povos, a fome, a obesidade, as tradições centenárias, o uso de agrotóxicos e pesticidas, etc., como foco. Gente que nunca fez cinema está se unindo a pesquisadores, produtores, fotógrafos e diretores por conta de preocupações comuns e engajamento às causas ligadas à alimentação, e é nesse contexto que muitos curta, média e longa-metragens têm sido produzidos no país. Produções que levam ao público muita coisa desconhecida, mas, não menos importante, e que têm sido aplaudidas e premiadas em festivais nacionais e internacionais.

Em um rápido recorrido em nossa lista encontramos curtas, médias e longa-metragens que mostram um Brasil colorido e saboroso que apesar de pouco valorizado tem sido descoberto e explorado por pesquisadores, gastrônomos, cozinheiros, historiadores, cineastas e gente comum preocupada com a origem do que levam à mesa e consequentemente ao estomago.

Conhecer a origem e a história da produção dos alimentos é mais que estar preocupado com as questões do paladar e saúde. Essas descobertas nos fazem compreender quem somos nos conferindo identidade cultural e nos lembrando da responsabilidade que temos na manutenção das tradições e na preservação da memória local, regional e nacional.       

Desde a antiguidade clássica pensadores, sacerdotes e médicos viam os alimentos para além de sua função saciadora ou festiva, eles acreditavam que muitos alimentos possuiam propriedades medicinais. O mais célebre deles Hipócrates cunhou a máxima que utilizamos até hoje, a de que “somos aquilo que comemos”, o pai da medicina ainda teria acrescentado  "que o vosso alimento seja o vosso primeiro medicamento".
     
Cinema e comida no mesmo prato ou na mesma cena alimentam o corpo e a alma e nos ajudam a compreender o papel da alimentação nos nossos dias. A seguir alguns documentários brasileiros que recomendamos, quase todos podem ser vistos online no youtube.

Caso você conheça outras produções que não estão em nossa lista de “Filmes que são uma delícia” fique a vontade para comentar e sugerir novos títulos.


"Guardiãs do Queijo Coalho do Sertão" é um curta-documental de Rita Simone Liberato (Brasil, 2013) que mostra o modo de vida das mulheres sertanejas que aproveitam o leite, importante recurso territorial, para elaborar o queijo. Com o soro, subproduto da produção de queijos, as mulheres alimentam os suínos que, comercializados, geram a renda que contribui para a sustentabilidade do estabelecimento rural e a continuidade nessa terra lugar de vida e labuta. As camponesas “mulheres de opinião” dos municípios de Monte Alegre de Sergipe, Porto da Folha e Nossa Senhora da Glória e seus familiares contam suas histórias e manifestam a relevância da produção de queijo para a vida das famílias sertanejas.


"Cerveja Falada" da produtora Exato Segundo de Guto Lima, Luiz Henrique Cudo e Demétrio Panarotto (Brasil, 2010) é um documentário que tem como personagem principal o mestre Rupprecht Loeffler de 93 anos de idade, que comanda há muitas décadas a Cervejaria Canoinhense, no interior de Santa Catarina. A microcervejaria, ao que tudo indica, é a mais antiga em funcionamento no Brasil. As máquinas usadas foram trazidas da Alemanha no final do século 19 pelo pai do Sr. Loeffler. As cervejas produzidas pela Canoinhense são: Nó de Pinho, Mocinha, Jahu e Malzebier. É uma aula viva de história da cerveja no país.


"O Mineiro e o Queijo" dirigido pelo cineasta Helvécio Ratton (Brasil, 2011). O documentário denuncia a lei brasileira que impede a comercialização dos queijos feitos com leite cru, como o de minas. A restrição atinge os queijos elaborados nas regiões do Serro, da Serra da Canastra e do Alto Parnaíba. Ratton descobriu essa contradição da lei e, mais, percebeu que a restrição à sua venda pode colocar em risco uma riqueza gastronômica de Minas Gerais. O filme mostra o lado dos pequenos produtores, que querem que o tradicional queijo minas artesanal possa ser consumido em todo o país, como são os queijos de leite crus feitos na Europa.


"Mulheres da Terra" é um documentário de Márcia Paraíso (Brasil, 2010) produzido pela Plural Filmes, o filme foi duplamente premiado no 2º Festival Nacional de Cinema e Vídeo Rural de Piratuba, em Santa Catarina. Conta histórias de vida de mulheres que, com suas mãos, cuidam da terra e são cuidadas por ela. As entrevistas foram captadas no interior dos municípios de Marema, Mondaí, São Miguel do Oeste, Chapecó, Anchieta e Palmitos, entre mulheres que integram o Movimento de Mulheres Camponesas de Santa Catarina.


“Estrada Real da Cachaça” documentário de Pedro Urano (Brasil, 2008)  é um caminho, uma viagem. Espécie de roadmovie espaço-temporal, o filme busca um reencontro com a realidade nacional através da mais brasileira das bebidas, a cachaça. Trata-se de uma investigação histórica, antropológica, sócio-econômica e poética que procura, ao longo da chamada Estrada Real, articular fragmentos significativos da trajetória da nação. Estrada Real da Cachaça propõe a reatualização de um percurso ancestral com o objetivo de mapear a presença da cachaça na cultura brasileira.


"Brasil Orgânico" é um documentário de Kátia Klock e Lícia Brancher (Brasil, 2013) com consultoria técnica do engenheiro agrônomo João Augusto de Oliveira, sobre a cadeia de alimentos orgânicos, do produtor ao consumidor. Uma viagem pelos biomas contando histórias de pessoas, lugares e ideais de vida. O roteiro percorre as regiões brasileiras, a diversidade de ecossistemas, paisagens e culturas. Da fruticultura no interior de São Paulo à pecuária no Pantanal, da agricultura familiar no norte de Minas Gerais e em Santa Catarina ao extrativismo na Floresta Amazônica. O associativismo, as feiras agroecológicas, o consumo consciente. Do campo à cidade, a produção de alimentos e a relação do homem com a terra. 


"História da cerveja em Santa Catarina" produzido pela Exato Segundo, com direção de Andreas Peter, para o projeto “Santa Catarina em Cena”, da RBS/TV, foi exibido em duas partes no ano de 2007. O documentário narra a chegada dos imigrantes ao Estado e a relação social e cultural que eles mantinham com as cervejas, desde o processo de fabricação ao simples prazer da degustação. Com personagens que viveram uma época não tão distante, mas muito saudosa, o filme apresenta os locais onde as cervejas eram fabricadas de forma caseira, num processo que passava de pai para filho. Atualmente, além da referência histórica da fabricação de cerveja provinda da cultura alemã, um novo cenário se desenha no Estado haja que vista que diversas cervejarias artesanais ressurgem, abrindo um novo mercado cervejeiro, com novos sabores, cores e também novas histórias desse precioso líquido em Santa Catarina.


O documentário "Muito além do peso" de Estela Renner (Brasil, 2012) é uma alerta para pais, professores e toda sociedade sobre um problema que afeta crianças no Brasil e no mundo: a obesidade. O filme mostra como o consumismo estimulado pela propaganda está diretamente ligado ao problema. Num tempo onde o fast food, a tv, os computadores e games ocupam boa parte da infância e adolescência mundial, como reverter esse quadro e garantir saúde e qualidade de vida para o futuro de nossas crianças? Um reflexão pesada e indigesta, que merece ser digerida por todos!

O documentário de Silvio Tendler “O veneno está na mesa” (Brasil, 2011) mostra que o  Brasil é o país que mais consome agrotóxicos no mundo, cerca de 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todos os países pelo risco que representam à saúde pública. O perigo é tanto para os trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para os cidadãos, que consumem os produtos agrícolas.


Dando continuidade a reflexão do documentário anterior, Silvio Tendler dirige "O veneno está na mesa II" (Brasil, 2014). Após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos em seu primeiro filme, o diretor apresenta agora uma nova perspectiva. O Veneno Está Na Mesa II atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências.

***

2 comentários:

  1. Eu gosto dele uma seleção muito bem sucedida, especialmente neste momento de que a obesidade está em seu pico. Documentáriosvalem a pena ver.

    ResponderExcluir
  2. Oi Sofia, obrigada pela visita e comentário... você poderia nos dizer o nome do documentário a que se refere? Assim poderemos incluir em nossa lista, o link direciona para uma série na HBO. Um abraço!

    ResponderExcluir

Recebemos seu comentário logo ele será publicado. Obrigada pela visita!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...