quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

A Cozinha pode ser zen, lúdica e engajada e o cinema nos mostra como.

Não me canso de descobrir produções fascinantes sobre o universo gastronômico. A cada dia um filme novo entra para nossa lista de “Filmes que são uma delícia”, mas... mais que satisfazer nosso paladar a cozinha pode nos proporcionar descobertas, prazer e uma boa dose de reflexão.

Nesta semana me surpreendi ao descobrir que o Nirvana pode ser alcançado lavando arroz ou sovando uma massa de pão, verdade ou não, os discípulos do Chef Edward Espé Brown podem confirmar essa teoria e é em “How to Cook Your Life” documentário de Doris Dorrie (Alemanha, 2007) que essa história é contada. Namastê!

O lúdico aqui fica por conta da terna e romântica história de Miguel, em “Tiempos de Azúcar” de Juan Luis Iborra (Espanha, 2001), que cresceu junto à confeitaria da família e longe da sua Angela. Aprendeu a fazer com maestria pães e doces, receitas de família, mas não foi capaz de declarar seu amor àquela que viu crescer e deixar a pequena cidade onde viviam na Espanha.

“Slow Food Story” de Stefano Sardo (Itália, 2013) é um título autoexplicativo que dispensa muito blá blá blá, se você não leu “Slow Food: princípios da nova gastronomia” do italiano Carlo Petrini fundador do movimento que ganhou o mundo, recomendo assistir o filme e tirar suas próprias conclusões.

Você já deve ter ouvido falar que Detroit foi uma das cidades mais prósperas dos EUA, a Capital da Indústria Automobilística, local onde os grandes nomes da indústria americana tinham sua sede: Ford, General Motors e Chrysler, etc.. Contudo, com o agravamento da crise na indústria e a recessão Detroit se transformou numa cidade fantasma e hoje é uma das cidades mais violenta dos Estados Unidos. Apesar do cenário nada positivo, gente engajada e preocupada com a mudança e a sustentabilidade resolve resignificar os espaços vazios e abandonados dando-lhes um novo sentido e, é através de hortas urbanas, comunitárias e familiares que Detroit está sendo resgatada. Do caos estabelecido uma nova realidade surgiu e tem estimulado pessoas a não deixarem a cidade, buscando a partir de ações locais a melhoria global da qual todos nós somos responsáveis. O documentário “Urban Roots” de Mark MacInnis (EUA, 2011) traz a história dessas pessoas e a mudança que estão promovendo por lá. O filme é pura reflexão. 

18/02/15 - Pegou pesado no Carnaval? Ah! Os excessos... Bem, nossa dica de hoje chega em boa hora, vamos começar uma etapa nova, algo mais Zen e acredite lavando arroz ou preparando a massa de pão, sim! você pode atingir o Nirvana. Em “How to Cook Your Life” documentário de Doris Dorrie (Alemanha, 2007) acompanhamos um sacerdote Zen da Califórnia: inteligente e algumas vezes surpreendentemente irado. Edward Espé Brown, autor de livros de receitas, filósofo, professor e mestre budista éum Chef de Cozinha Zen. A diretora do filme esteve com Brown e ele contou sobre sua vida, ela o acompanhou em suas palestras, observou o mestre na cozinha e em suas aulas de culinária. Sob a orientação de Ed Brown cozinhar é mais do que apenas fornecer o alimento, cozinhar, ou melhor, saber como cozinhar, é uma questão de cuidar de si mesmo e dos outros. Um monge Zen nos mostra a sensualidade de preparar o pão, a filosofia dos rabanetes e a serenidade de cenouras. A culinária não é apenas uma delícia é algo que pode nos torna um pouco mais sábios. 


18/02/15 - Ah! As lembranças de infância... como podem ser doces. Em "Tiempos de Azúcar" de Juan Luis Iborra (Espanha, 2001) são essas lembranças que embalam o filme. Duas grandes paixões têm marcado a vida de Miguel desde a infância: a sua profissão e o profundo amor por Angela. Com apenas sete anos, começou a ajudar sua mãe no negócio da família, uma confeitaria que se tornaria um negócio sólido e rentável, já com Angela, Miguel teve menos sorte, pois nunca se atreveu a confessar seus sentimentos com medo de frustrar seu desejo de liberdade e sucesso fora do povoado onde nasceram.


18/02/15 - O movimento Slow Food de Carlo Petrini dispensa apresentação, iniciado há 25 anos o movimento ganhou o mundo, as livrarias e o cinema. O documentário "Slow Food Story" de Stefano Sardo (Itália, 2013) conta a história de uma revolução lenta iniciada através de esforços de Carlo Petrini em 1986, que três anos depois, em Paris, daria lugar ao Slow Food, um movimento internacional que começou como uma resistência ao fast food. Sem nunca sair de Bra, sua cidade de 27 mil habitantes, Petrini cria um movimento que já existe em 150 países, e conta com mais 85.000 membros pelo mundo, inclusive no Brasil. "Slow Food Story" é também a história de um grupo de amigos que merece ser contada em nome de um mundo melhor. O Slow Food é um movimento que veio para promover uma mudança na consciência que abalou, inclusive, o próprio fundamento da gastronomia.


18/02/15 - "Urban Roots" (EUA, 2011) produzido por Leila Conners (The 11th Hour - EUA, 2007) e Mathew Schmid e dirigido por Mark MacInnis, trata-se de um documentário fascinante sobre o fenômeno da agricultura urbana em Detroit, EUA. O filme conta a história da agricultura urbana em Detroit, onde as comunidades estão redirecionando terrenos vagos para criar fontes de alimentos locais e sustentáveis, mostrando moradores de Detroit dedicados a um trabalho incansável para cumprir objetivos de auto-suficiência construída sobre uma base de alimentos saudáveis e de forma sustentável. Mais que cultivar comida localmente, eles contribuem com seu trabalho para uma consciência política global sobre o futuro dos alimentos.

***

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recebemos seu comentário logo ele será publicado. Obrigada pela visita!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...